Como aprendi a projetar meus pensamentos

A meditação e o design são ferramentas criativas para inventar a si mesmo

“Eu acabei de ter uma ideia! Uma grande ideia! Uau! Que ideia sensacional! Eu acho que vou ficar muito bem-sucedido com essa ideia!”

Na área do design, e, bem, eu sou designer de produto, a gente conhece essa situação como a Síndrome do Amor à Primeira Ideia. Trata-se de um grande devaneio, em que a mente fica divagando sobre as consequências maravilhosas de riqueza, de inovação, de status pessoal e profissional, de contribuição para salvar o mundo, por causa de uma ideia mirabolante.

Acontece que uma ideia é um pensamento. E apenas um pensamento. Não mais que isso.

No design, na parte de processo criativo, a gente aprende a não se entusiasmar com a primeira ideia, aprende a deixá-la de lado, e gerar outras ideias, 100 ideias. E aí sim, a gente seleciona a melhor delas para desenvolver um produto. Essa seleção é feita sem deslumbramento, sem muito entusiasmo. É uma escolha racional.

Eu não sou meus pensamentos

Desde que comecei a meditar com o Peace Revolution, observei que algo parecido ao processo de selecionar ideias no Design acontecia também na Meditação. Eu aprendi que os meus pensamentos eram apenas pensamentos, não eram eu.

Era – sou – eu que escolho meus pensamentos. Passei a ficar mais atenta sobre que tipo de pensamento eu estava alimentando na minha mente e dando a eles uma noção de identidade pessoal.

Posso dizer que passei a ver a mim mesma como um projeto. Agora não se tratava mais de projetar cadeiras, joias, troféus, roupas, coisas que projetei por anos na vida. Mas se tratava de aprender a projetar a mim mesma, a selecionar meus pensamentos com mais discernimento. Passei a alimentar na minha mente ideias mais positivas para o meu bem-estar.

Eu passei a observar mais

Por exemplo, ideias de julgamento e de retaliação a alguém que me fez mal, eu passei a gradativamente substituir por ideias de compaixão, de misericórdia. Isso foi definitivamente algo revolucionário na minha vida.

Mas não aconteceu de um dia para o outro. Eu medito desde 2013, e só recentemente me dei conta que consegui mudar alguns padrões mentais como o da mente raivosa por uma mente mais clara e benevolente.

Digo que parei de projetar produtos, e passei a aprender a projetar meus pensamentos. Sem deslumbramentos. Sem paixões. Sem apego. Passei a observar mais.

Aprender a criar o melhor de si mesmo

Sou infinitamente grata aos monges tailandeses e ao programa de meditação do Peace Revolution, à ONG World Peace Initiative e a toda a equipe. Eles me deram ferramentas – as técnicas de meditação – para que eu conhecesse a mim mesma.

Posso ainda dizer que a meditação me permitiu avaliar melhor minhas ideias, e melhorou o meu processo criativo, separando melhor o que é ilusão do que tem potencial de benefício real para mim e para os outros.

E é por tanto que faço o convite aqui a todos: – Que tal aprender a criar o melhor de si mesmo? Que tal conhecer melhor seus pensamentos e ter boas ideias a partir do auto-conhecimento?

Acesse o Self-Development Program no site peacerevolution.net e comece a meditar, simples assim. Para mais dúvidas, pode me mandar uma mensagem ou e-mail particular a partir do meu site ethicalfashionbrazil.com

Eu estou aberta à valorizar e estimular o desenvolvimento pessoal de todos à minha volta! Estamos juntos. Grande abraço e infinita gratidão.

Photo credits: Google

Related Posts

Peace of mind is expensive

How much do you need to pay for peace of mind? Is it costly? What kind of livelihood can allow you to afford peace of mind? And more importantly, what is your indicator of peace of mind?

Even though everyone is looking for peace of mind, you may never wonder about these questions; indeed, they hide the core answers for peace of mind and, living in balance with yourself, being healthy mentally and physically. They walk together most of the time.

Read More »